contador gratuito Skip to content

Ajudando as crianças a lidar com eventos traumáticos

Ajudando as crianças a lidar com eventos traumáticos

Crianças e adolescentes são mais vulneráveis ​​a serem traumatizados pela pandemia de coronavírus, crimes violentos ou outros desastres. Mas com o apoio dos pais certo, eles também são capazes de se recuperar mais rapidamente.

Os efeitos do trauma em crianças e adolescentes

Estar envolvido na pandemia do COVID-19, um acidente grave, crime violento, ataque terrorista ou desastre natural, como um terremoto ou furacão, pode ser extremamente estressante para as crianças. Um desastre, crise ou outro evento preocupante pode causar estresse traumático, minar a sensação de segurança do seu filho e deixá-lo desamparado e vulnerável, especialmente se o evento resultar de um ato de violência, como um tiroteio em massa ou um ataque terrorista. Mesmo crianças ou adolescentes não afetados diretamente por um desastre podem ficar traumatizados quando expostos repetidamente a imagens horríveis do evento nas notícias ou nas mídias sociais.

Se o seu filho viveu o evento perturbador em si, testemunhou ou experimentou um estresse traumático depois, provavelmente será afetado por uma série de emoções intensas, confusas e assustadoras. Embora os sintomas desagradáveis ​​possam desaparecer com o tempo, há muito que você pode fazer como pai ou responsável para apoiar e tranquilizar uma criança traumatizada. Usando essas dicas de enfrentamento, você pode ajudar seu filho a gerenciar sintomas de estresse traumático, reconstruir sua sensação de segurança e seguir em frente a partir do evento traumático.

Sinais e sintomas de estresse traumático em crianças e adolescentes

O estresse traumático é uma reação normal a um desastre natural ou causado pelo homem ou outro evento perturbador. Pode deixar crianças de qualquer idade se sentindo sobrecarregadas pelo estresse e desencadear uma ampla gama de emoções intensas e reações físicas ou comportamentais. Estes, por sua vez, podem afetar o humor, o apetite, o sono e o bem-estar geral da criança.

Sinais de trauma em crianças e adolescentes
Crianças menores de 2 anos podem:
  • Mexa mais ou seja mais difícil de acalmar
  • Exibir alterações nos padrões de sono ou alimentação
  • Aparecer retirado
Crianças de 2 a 5 anos podem:
  • Mostrar sinais de medo
  • Agarre-se aos pais ou cuidador mais

  • Chorar, gritar ou gemer
  • Mova-se sem rumo ou congele
  • Regresse a comportamentos anteriores da infância, como chupar o polegar ou urinar na cama
Crianças de 6 a 11 anos podem:
  • Perder interesse em amigos, familiares ou atividades de que gostavam
  • Experimente pesadelos ou outros problemas de sono
  • Torne-se mal-humorado, perturbador ou irritado
  • Luta com a escola e os trabalhos de casa
  • Queixa de problemas físicos, como dores de cabeça ou dores de estômago
  • Desenvolver medos infundados
  • Sinta-se deprimido, emocionalmente entorpecido ou culpado pelo que aconteceu
Adolescentes de 12 a 17 anos podem:
  • Tenha flashbacks no evento, sofra pesadelos ou outros problemas de sono
  • Evite lembretes do evento
  • Abuso de álcool, drogas ou produtos de nicotina
  • Agir de maneira perturbadora, desrespeitosa ou agressiva
  • Reclamar de doenças físicas
  • Sinta-se isolado, culpado ou deprimido
  • Perder interesse em hobbies e interesses
  • Ter pensamentos suicidas

Qualquer que seja a idade do seu filho, é importante oferecer segurança e apoio extra após um evento traumático. Com o seu amor e orientação, os pensamentos e sentimentos perturbadores do estresse traumático podem começar a desaparecer e a vida de seu filho pode voltar ao normal nos dias ou semanas após a crise ou evento perturbador.

Ajudando seu filho a lidar com um desastre ou evento traumático

A reação de seu filho a um desastre ou evento traumático pode ser grandemente influenciada por sua própria resposta. Crianças de todas as idades, mesmo os adolescentes que buscam a independência, buscam conforto e segurança nos pais em momentos de crise. Se você experimentou o evento traumático ao lado de seu filho, é crucial tomar medidas para lidar com seu próprio estresse traumático. Até crianças pequenas podem captar a ansiedade e o estresse de seus pais. Ao cuidar de sua própria saúde emocional e bem-estar, você terá uma influência mais calmante e mais capaz de ajudar seu filho. Como o impulso infantil de imitar é forte, se o seu filho vê você tomando medidas para lidar com os efeitos do trauma, é provável que eles o sigam.

Você também pode:

Lembre-se de que as crianças reagem ao trauma de maneiras diferentes. E seus sentimentos podem ir e vir em ondas. Seu filho pode estar temperamental e retraído em determinados momentos, congelado de tristeza e medo em outros momentos. Não há maneira certa ou errada de se sentir após um evento traumático, então não tente ditar o que seu filho deve estar pensando ou sentindo.

Incentive seu filho a compartilhar abertamente seus sentimentos. Deixe-os saber que quaisquer sentimentos que estão experimentando são normais. Mesmo sentimentos desagradáveis ​​passarão se o seu filho se abrir sobre eles. Enquanto muitos adolescentes podem relutar em falar sobre seus sentimentos com os pais, incentive-os a confiar em outro adulto de confiança, como um amigo da família, parente, professor ou figura religiosa. É importante falar mesmo se não estiver com você.

Permita-lhes sofrer quaisquer perdas. Dê tempo ao seu filho para curar e lamentar as perdas que ele possa ter sofrido como resultado do desastre ou evento traumático. Isso poderia ser a perda de um amigo, parente, animal de estimação, casa ou simplesmente como costumava ser sua vida.

Desencoraje seu filho de reviver obsessivamente o evento traumático. Se debruçar ou reproduzir continuamente as imagens do evento, pode sobrecarregar o sistema nervoso do seu filho. Incentive atividades que mantenham a mente do seu filho ocupada, para que não se concentrem apenas no evento traumático. Você pode ler para o seu filho, jogar juntos ou simplesmente assistir a um filme edificante.

De estresse como uma família. Mesmo as crianças pequenas podem usar exercícios simples de respiração para aliviar o estresse e se sentir mais à vontade no mundo, enquanto as crianças mais velhas podem dominar outras técnicas de relaxamento.

Dica para recuperação de crianças e trauma 1: reconstruir a confiança e a segurança

O trauma pode alterar a maneira como uma criança ou adolescente vê o mundo, fazendo de repente parecer um lugar muito mais perigoso e assustador. Seu filho pode achar mais difícil confiar no ambiente e nas outras pessoas. Você pode ajudar a reconstruir a sensação de segurança e proteção do seu filho.

Faça seu filho se sentir seguro novamente. Abraçar e tranquilizar pode ajudar a tornar uma criança de qualquer idade segura. Enquanto os adolescentes podem tentar resistir e evitar serem mantidos, seu afeto físico ainda é importante para fazê-los se sentir seguros novamente.

Incentive seu filho a realizar as atividades de que gosta. Tente garantir que seu filho tenha espaço e tempo para descansar, brincar e se divertir.

Manter rotinas. Estabelecer uma estrutura e um cronograma previsíveis para a vida de seu filho pode ajudar a tornar o mundo mais estável novamente. Tente manter horários regulares para refeições, trabalhos de casa e atividades em família.

Fale do futuro e faça planos. Isso pode ajudar a neutralizar o sentimento comum entre crianças traumatizadas de que o futuro é assustador, sombrio e imprevisível.

Mantenha suas promessas. Você pode ajudar a reconstruir a confiança de seu filho sendo digno de confiança. Seja consistente e siga o que você diz que fará.

Se você não souber a resposta para uma pergunta, não tenha medo de admitir. Não comprometa a confiança de seu filho em você inventando algo.

Lembre-se de que as crianças costumam personalizar situações. Eles podem se preocupar com sua própria segurança, mesmo que o evento traumático tenha ocorrido muito longe. Tranquilize seu filho e ajude a contextualizar a situação.

Dica 2: Minimize a exposição da mídia

As crianças que sofreram um evento traumático podem frequentemente achar que a cobertura implacável da mídia é ainda mais traumatizante. A exposição excessiva a imagens de uma crise ou eventos perturbadores, como a exibição repetida de videoclipes nas mídias sociais ou em sites de notícias, pode até criar estresse traumático em crianças ou adolescentes que não foram diretamente afetados pelo evento.

Limite a exposição da mídia da criança ao evento traumático. Não deixe seu filho assistir as notícias ou verificar as mídias sociais antes de dormir e use os controles dos pais na TV, no computador e no telefone para impedir que ele veja repetidamente imagens perturbadoras.

Tanto quanto possível, assista a notícias do evento traumático com seu filho. Você pode tranquilizar seu filho enquanto está assistindo e ajudar a colocar as informações no contexto.

Evite expor seu filho a imagens e vídeos gráficos. Muitas vezes, é menos traumatizante para uma criança ou adolescente ler o jornal do que assistir à televisão ou assistir a videoclipes do evento.

Dica 3: envolva seu filho

Você não pode querer que seu filho se recupere de uma experiência traumática, mas pode desempenhar um papel importante no processo de cicatrização simplesmente passando um tempo juntos e conversando cara a cara com a TV, telefones, videogames e outras distrações. Faça o possível para criar um ambiente em que seus filhos se sintam seguros para comunicar o que estão sentindo e fazer perguntas.

Ofereça ao seu filho oportunidades contínuas de conversar sobre o que eles passaram ou o que estão vendo na mídia. Incentive-os a fazer perguntas e expressar suas preocupações, mas não os force a falar.

Comunique-se com seu filho de maneira apropriada à idade. Crianças mais novas, por exemplo, responderão a abraços tranqüilizadores e frases simples, como Está tudo acabado agora ou Tudo vai ficar bem. As crianças mais velhas, no entanto, terão mais conforto ao ouvir fatos e informações sobre o que aconteceu.

Reconheça e valide as preocupações do seu filho. O evento traumático pode trazer à tona medos e problemas não relacionados. O conforto do seu filho vem do sentimento de ser compreendido e aceito por você; portanto, reconheça os medos deles, mesmo que não pareçam relevantes para você.

Tranquilize seu filho. O evento não foi culpa deles, você os ama e não há problema em se sentirem chateados, com raiva ou com medo.

Não pressione seu filho a falar. Pode ser muito difícil para algumas crianças falar sobre uma experiência traumática. Uma criança pequena pode achar mais fácil desenhar uma ilustração que ilustra seus sentimentos do que falar sobre eles. Você pode conversar com seu filho sobre o que eles desenharam.

Seja honesto. Embora você deva personalizar as informações que compartilha de acordo com a idade e a personalidade do seu filho, a honestidade é importante. Não diga que nada está errado se algo é errado.

Faça atividades “normais” com seu filho que não têm nada a ver com o evento traumático. Incentive seu filho a procurar amigos e buscar jogos, esportes e hobbies de que gostava antes do incidente. Faça passeios em família no parque, desfrute de uma noite de jogos ou assista a um filme juntos.

Dica 4: Incentive a atividade física

A atividade física pode queimar a adrenalina, liberar endorfinas que melhoram o humor e ajudar seu filho ou adolescente a dormir melhor à noite.

Encontre um esporte que seu filho goste. Atividades como basquete, futebol, corrida, artes marciais ou natação que exijam o movimento dos braços e das pernas podem ajudar a despertar o sistema nervoso do seu filho a partir daquele sentimento “preso” que geralmente segue uma experiência traumática.

Ofereça-se para participar de esportes, jogos ou atividades físicas com seu filho. Se eles parecerem resistentes a sair do sofá, toque algumas de suas músicas favoritas e dance juntos. Quando uma criança se move, ela começa a se sentir mais enérgica.

Incentive seu filho a sair para brincar com amigos ou um animal de estimação e desabafar.

Agendar um passeio em família a uma trilha de caminhada, lago ou praia. Passar um tempo na natureza pode aliviar o estresse e melhorar o humor geral da criança.

Leve crianças menores a um playground, centro de atividades ou organizar datas de reprodução.

Dica 5: Alimente seu filho com uma dieta saudável

A comida que seu filho come pode ter um impacto profundo no humor e na capacidade de lidar com o estresse traumático. Alimentos processados ​​e de conveniência, carboidratos refinados e bebidas açucaradas e lanches podem criar mudanças de humor e piorar os sintomas de estresse traumático. Por outro lado, comer muitas frutas e legumes frescos, proteínas de alta qualidade e gorduras saudáveis, especialmente os ácidos graxos ômega-3, pode ajudar seu filho ou adolescente a lidar melhor com os altos e baixos da experiência perturbadora.

Concentre-se na dieta geral e não em alimentos específicos. As crianças devem comer alimentos integrais e minimamente processados, o mais próximo possível de sua forma natural.

Limite frituras, sobremesas doces, lanches e cereais açucarados e farinha refinada. Tudo isso pode afetar negativamente o humor da criança.

Cozinhe mais refeições em casa. Refeições em restaurantes e comida para viagem têm mais adição de açúcar e gordura não saudável; portanto, cozinhar em casa pode ter um grande impacto na saúde de seus filhos. Se você fizer lotes grandes, cozinhar apenas algumas vezes pode ser suficiente para alimentar sua família durante toda a semana.

Faça as refeições mais do que apenas comida. Reunir a família em torno de uma mesa para uma refeição é uma oportunidade ideal para conversar e ouvir seu filho sem a distração da TV, telefone ou computador.

Quando procurar tratamento para o trauma do seu filho

Geralmente, os sentimentos de ansiedade, dormência, confusão, culpa e desespero de seu filho após uma crise, desastre ou outro evento traumático começam a desaparecer em um período relativamente curto. No entanto, se a reação ao estresse traumático for tão intensa que interfira na capacidade do seu filho de funcionar na escola ou em casa ou se os sintomas não começarem a desaparecer ou se agravarem ainda mais com o tempo, podem precisar da ajuda de um profissional de saúde mental.

Quando os sintomas de estresse traumático não diminuem e o sistema nervoso do seu filho permanece paralisado, incapaz de passar do evento por um período prolongado, ele pode estar passando por um transtorno de estresse pós-traumático (TEPT).

Os sinais de aviso incluem:

  • Seis semanas se passaram e seu filho não está se sentindo melhor
  • Seu filho está tendo problemas para funcionar na escola
  • Seu filho está passando por memórias aterrorizantes, pesadelos ou flashbacks
  • Os sintomas do estresse traumático se manifestam como queixas físicas, como dores de cabeça, dores de estômago ou distúrbios do sono
  • Seu filho está passando por um momento cada vez mais difícil de se relacionar com amigos e familiares
  • Seu filho ou adolescente está experimentando pensamentos suicidas
  • Seu filho está evitando cada vez mais coisas que os lembram do evento traumático

Prevenção de suicídio em crianças e adolescentes traumatizados

Leve a sério qualquer conversa ou comportamento suicida. Não é apenas um sinal de alerta de que seu filho ou adolescente está pensando em suicídio; é um pedido de ajuda. Leia a Prevenção de Suicídio ou ligue para uma linha de apoio ao suicídio:

Autores: Melinda Smith, M.A., Lawrence Robinson e Jeanne Segal, Ph.D. Última atualização: abril de 2020.