Ainda bem que mudei de m√ļsica com os doadores

Ainda bem que mudei de m√ļsica com os doadores

Cortesia de Laura Edwards Nunley

Se eu aconselhasse uma mulher a considerar ter um bebê por fertilização in vitro com um óvulo doado, diria a ela que fizesse alguma pesquisa, mas não muito.

Leia blogs sobre o assunto, mas n√£o muitos.

D√™ a sua mente apenas o suficiente para pensar, sem sobrecarreg√°-la com todas as opini√Ķes divergentes sobre o assunto.

Escolha um problema e encontre duas rea√ß√Ķes opostas.

Ent√£o pare de pesquisar e deixe sua mente trabalhar.

Uma das minhas maiores preocupa√ß√Ķes ao contemplar ter um beb√™ com o DNA de outra mulher era se eu iria me relacionar com esse beb√™.

Eu fiz uma pequena leitura.

Lembro-me de comentar o comentário de Marcia Cross, da estrela de Desperate Housewives: Quando uma mulher envelhece, elas recebem óvulos doados, o que não torna o bebê menos bonito ou perfeito.

Embora ela não tenha admitido ter usado um doador de óvulos para conceber seus gêmeos, fiquei consolada com essa afirmação.

Também li um blog de uma mulher cuja citação já usei muitas vezes, parafraseada: Quem disse que minha genética é tão superior? Talvez esteja fazendo um favor aos meus filhos emprestando genes.

Mas então eu li um blog de uma mulher que estava tendo dificuldade em se relacionar com seu bebê, concebida com um óvulo doador.

Ela disse que continuava vendo a imagem do doador no rosto de seu filho.

Faz quatro anos desde que li o blog, mas não foi até recentemente que eu percebi como minha mente lidava com essa informação.

Quando recebi fotos do doador que escolhemos, olhei para eles brevemente, apreciei-os e depois os guardei, para nunca mais olhar para eles.

Agora, quando olho os rostos dos meus três filhos lindos que foram concebidos com a ajuda daquele doador, não vejo as características físicas que eles compartilham com o doador de óvulos.

Eu vejo meu marido e meus filhos.

Eu até me vejo um pouco.

Cortesia de Laura Edwards Nunley

Afinal, nosso DNA se misturou no meu ventre.

Durante a gravidez em mamíferos, em um processo chamado microquimerismo fetal-materno, a mãe e o feto trocam DNA e células.

Um estudo de mulheres que morreram na casa dos setenta anos descobriu que mais da metade das mulheres tinha DNA masculino em seus c√©rebros, presumivelmente a partir de quando os filhos das mulheres estavam no √ļtero.

O DNA masculino também foi descoberto nas amostras de sangue das mulheres.

Não foram apenas detectadas células fetais na mãe, mas foram encontradas células maternas no feto.

Eu sei que toda experiência de mãe que tem um bebê com ovos doados é provavelmente diferente.

Tive a vantagem de ter um dos meus filhos genéticos para comparar com a experiência de ter filhos concebidos com óvulos doados.

Existe alguma diferença em como me sinto entre meu filho mais velho e seus três irmãos mais novos? Sim.

Provavelmente a maior diferença é o espelho genético que meu filho mais velho segura e no qual eu posso me ver.

Embora ele não se pareça muito comigo, muitos de seus comportamentos e atitudes parecem familiares.

Instintivamente sei como lidar com alguns de seus humores mais difíceis, porque eu também os experimentei.

Eu sei quando incentivar certos interesses porque eles s√£o meus interesses.

Minha interação com minhas duas filhas e meu filho mais novo é diferente.

Enquanto falta o espelho genético, o que tenho com eles é uma profunda apreciação pelas pessoas interessantes e brilhantes que são, tão superiores a mim em muitos aspectos.

Minha filha de três anos é muito inteligente e talentosa com o idioma.

Ela também é incrivelmente capaz fisicamente.

Seu irmão mais novo é uma potência total e tem a capacidade de olhar qualquer um nos olhos sem piscar ou piscar.

A irmã deles é o cuspe mais doce que eu já vi, tão ágil e perspicaz.

Com meu filho mais velho, sinto uma espécie de possessividade.

Com meus outros três filhos, sinto um respeito terno Рe muita gratidão.

Sinto-me tremendamente privilegiado por ser mãe deles, ser uma força orientadora à medida que crescem e participar de suas vidas já surpreendentes.

Além disso, ainda me conecto em um nível muito íntimo com meus filhos mais novos, da maneira que os seres humanos naturalmente se relacionam.

Minha filha mais velha precisa se rebelar, não de uma maneira maliciosa, mas de uma maneira que lhe dê energia e vibração.

Eu entendi aquilo.

Minha filha caçula precisa de muito carinho.

Eu também entendo isso.

Meu filho mais novo destrói tudo, acha divertido e olha nos rostos dos pais para confirmar que eles também acham divertido.

Sim.

Entendi.

Tannis Toohey / Estrela de Toronto via Getty Images

Quando tínhamos apenas dois filhos, um que é meu filho genético e outro que não é, às vezes eu me preocupava com meu vínculo com minha filha, a criança mais nova.

Ao conversar com meus amigos e familiares, eu me referia ao doador de óvulos como mãe biológica de minhas filhas.

Mas, desconfort√°vel com a frase, pensei em como minha filha crescia no meu ventre e em como, sem mim, ela n√£o existiria.

Comecei a ligar para o doador de óvulos.

Palavras importam.

Agora que minha filha est√° mais velha e tenho mais dois filhos concebidos com os embri√Ķes criados a partir da primeira rodada de fertiliza√ß√£o in vitro, n√£o preciso mais me tranquilizar.

Sou a mãe dessas crianças, e somente eu Рe meu marido Рpodemos dar-lhes a compreensão, carinho, disciplina e amor de que precisam.

Não há nenhuma diferença entre o quanto amo meu filho genético e o quanto amo meus outros filhos.

Eu amo todos eles intensamente e com a mesma força.

Cortesia de Laura Edwards Nunley

Embora eu nunca veja a semelhança de nosso doador de óvulos nos rostos dos meus filhos, acredito que o caráter de nosso doador é evidente nas personalidades de meus filhos.

De acordo com os coordenadores de doadores de óvulos da clínica de fertilidade, a maior motivação do nosso doador era prestar serviço a outros.

Eles a descreveram como vivaz, espirituosa e enérgica.

Sinto a magnanimidade, o senso de humor e o intelecto dessa jovem em meus filhos à medida que crescem e se desenvolvem.

Eu me sinto incrivelmente afortunado por ter conseguido seus genes na minha família.

Cada uma das minhas gesta√ß√Ķes, apesar de dif√≠cil na casa dos quarenta, estava cheia de uma deliciosa expectativa.

Cada uma das minhas entregas foi a melhor experiência da minha vida.

Manter todos os meus quatro bebês no peito no hospital era mais sagrado do que qualquer ritual religioso.

Agora tenho quatro filhos, com cinco anos ou menos, e não é fácil.

Mas é mais profundo e gratificante do que qualquer coisa que eu possa imaginar.

Nos meus dias de solteiro, nunca soube que, quando você tem filhos, recebe tanto quanto ou mais do que recebe.

Cada um dos meus quatro filhos, geneticamente relacionado a mim ou não, é meu professor.

Cada criança me ama sem reservas, se eu mereço ou não.

Não posso mais varrer minha frustração, raiva e ansiedade para debaixo do tapete, porque isso afeta meu relacionamento com meus filhos.

Minha risada mais do que quadruplicou, e meu nível geral de felicidade é um doce contentamento.

Para mim, quatro das cria√ß√Ķes mais bonitas deste planeta s√£o meus filhos.

Na minha opini√£o, n√£o h√° d√ļvida.

Se você não pode ter bebês usando seus próprios óvulos, adota ou sofre fertilização in vitro com óvulos doados.

O ganho líquido é muito maior do que qualquer tipo de custo.

E quando voc√™ est√° aconchegando seu beb√™ para dormir todas as noites, agradecer√° a suas estrelas da sorte que possui riquezas imensur√°veis ‚Äč‚Äčem sua vida.

Portanto, para a mulher que está pensando em doar óvulos, faça sua pesquisa.

Mas pare antes que alguém perceba negativamente prejudicar uma perspectiva otimista em relação às suas próprias possibilidades.

Armado com as informa√ß√Ķes que voc√™ possui, agrade√ßa ao universo pela ci√™ncia moderna e siga em frente com coragem e confian√ßa.

Apenas as experiências mais preciosas da vida aguardam.