Abrindo espaço para o bebê

Abrindo espaço para o bebê

Imagem via Shutterstock

Quando descobri que estava gr√°vida alguns dias antes do meu quadrag√©simo terceiro anivers√°rio, fiquei chocado e emocionado. Minhas filhas tinham 16 e 11 anos, e eu ansiava por outra gravidez desde que as meninas eram pequenas. Demorou um ano e meio para conceber meu segundo filho, e, embora n√£o houvesse explica√ß√£o m√©dica, simplesmente n√£o parecia que nunca. aconteceu denovo. Quando as meninas estavam no ensino fundamental, decidimos abrir nossos cora√ß√Ķes para um menino √≥rf√£o russo de tr√™s anos que adotamos. O ajuste √† vida com aquele pequeno tornado loiro foi dif√≠cil, e levou algum tempo para que todos se instalassem.

Foi logo ap√≥s o oitavo anivers√°rio dos Viktors que chegaram as surpreendentemente maravilhosas not√≠cias da minha √ļltima gravidez. Todos n√≥s est√°vamos fora de n√≥s com entusiasmo e medo, exceto meu filho. Enquanto alguns de n√≥s tinham l√°grimas de alegria, ele tinha l√°grimas de tristeza e medo. Meu marido e eu garantimos a ele nosso amor e sua import√Ęncia em nossa fam√≠lia, especialmente para o futuro beb√™ que o admira. Mas, mesmo depois de cinco anos conosco, meu filho sentiu que seu lugar na fam√≠lia era t√£o t√™nue que esse pequeno intruso certamente a amea√ßaria.

Depois de um tempo, Viktor come√ßou a aceitar a id√©ia de um irm√£ozinho, algu√©m que ele poderia transformar em uma pequena vers√£o de si mesmo e de algu√©m para equilibrar os n√ļmeros da fam√≠lia. Isso foi at√© que ele descobriu que eu estava gr√°vida de outra menina. A rea√ß√£o a essa not√≠cia foi ainda mais forte do que a pr√≥pria gravidez. Ele se isolou do lado de fora e solu√ßou com raiva. Tudo o que pude fazer foi lembr√°-lo sobre seu melhor amigo na √©poca, uma garota que gostava das mesmas coisas que fazia no ex√©rcito, nos carros, nas brincadeiras f√≠sicas. N√£o sei se ele comprou minha tentativa de consolo. Enquanto o resto da fam√≠lia desfrutava de todos os aspectos do planejamento e aguardava nosso novo milagre, meu filho parecia negar.

Ent√£o Claire nasceu. Ela era t√£o pequena e indefesa, e Viktor imediatamente caiu com for√ßa. Ele a abra√ßou com tanta delicadeza, estudou suas fei√ß√Ķes e imitou como meu marido a deixava dormir em seu peito. Ele a exibiu e falou sobre ela com sua professora e colegas de classe. Durante um dos primeiros dias em casa, enquanto eu trocava o beb√™ chor√£o, Viktor gentilmente lhe disse: “Voc√™ sabe o que √© realmente triste? Quando eu era um beb√™ como voc√™, ningu√©m cuidava de mim assim.” Ele disse ternamente, como se estivesse apenas percebendo o que sentia falta. Era como se ele fizesse um voto naquele momento para nunca deix√°-la sentir a neglig√™ncia que ele fazia.

Ele começou a me ver de forma diferente também. Ele me viu como pai desde o começo da vida, lá para todas as necessidades básicas de Claires 24/7. Durante uma de minhas primeiras noites em casa, no hospital, ele queria dormir perto do bebê e de mim para ouvir minha doce voz e ver o rosto bonito de Claires. Ele estava realmente bebendo o que eu não estava lá quando era bebê.

Até o nascimento do bebê, acho que Viktor sempre se sentiu como um retardatário de nossa família. Ele sabia que perdia nossa primeira casa de família e muitas de nossas experiências combinadas, além de seus primeiros três anos de bebê no meio. Mas, no que diz respeito a Claire, ele estava lá desde o começo da descoberta dela até todos os dias de sua vida desde então. Ela não conhece a vida sem ele, e ela não sabe que ele é alguém que não seja seu irmão.

Quando Claire entrou na inf√Ęncia, o relacionamento irm√£o-irm√£ se tornou algo mais t√≠pico. Ela o irrita, ele a provoca, e eles ficam bravos um com o outro. Ela ainda olha para ele e quer que ele brinque com ela, e √© claro que ele ainda a ama, mas eles definitivamente d√£o nos nervos. Os dons desse relacionamento, no entanto, ainda est√£o sendo realizados. Viktor tinha hiperatividade e problemas sensoriais quando menino, que me pareceu t√£o diferente. Ele nunca parecia dormir, e embora ela n√£o seja biologicamente relacionada a ele, Claire tamb√©m tem esses problemas, de certa forma ainda mais significativamente. O irm√£o dela me preparou para lidar com os servi√ßos do AT, fadiga extrema e aceita√ß√£o de caracter√≠sticas com as quais n√£o me identifico. E agora que uma crian√ßa com quem nasci tem algumas das mesmas dificuldades, as caracter√≠sticas dos Viktors n√£o parecem t√£o estranhas para mim;elen√£o parece estranho para mim. Vejo que absolutamente poderia ter dado √† luz uma crian√ßa como ele, porque dei.

√Č interessante como as coisas funcionam √†s vezes. Um garotinho entrou na vida de nossa fam√≠lia e havia li√ß√Ķes de ambos os lados; ent√£o, uma garotinha apareceu e, de alguma forma, facilitou essas li√ß√Ķes para todos n√≥s. √Č uma hist√≥ria de amor entre muitos nos cap√≠tulos de nossa vida em fam√≠lia.

Post relacionado:SiblingBonding: Configurando-os para o Sucesso