contador gratuito Skip to content

A import√Ęncia de relacionamentos positivos no local de trabalho

 rela√ß√Ķes-positivas-local de trabalho O local de trabalho mant√©m um papel central na vida de muitas pessoas.

Como a pessoa comum passa mais tempo no trabalho do que em qualquer outra atividade diária, é vital que as pessoas de qualquer organização se sintam conectadas e apoiadas por seus colegas, subordinados e líderes.

De fato, um colaborador significativo do estresse no trabalho s√£o os riscos psicossociais relacionados √† cultura dentro de uma organiza√ß√£o, como as m√°s rela√ß√Ķes interpessoais e a falta de pol√≠ticas e pr√°ticas relacionadas ao respeito aos trabalhadores (Stoewen, 2016).

Embora a exposi√ß√£o a longo prazo a esses riscos psicossociais esteja ligada ao aumento de problemas de sa√ļde psiqui√°trica e fisiol√≥gica, as rela√ß√Ķes sociais positivas entre os funcion√°rios s√£o a forma como o trabalho √© realizado.

Portanto, se as organiza√ß√Ķes e seus funcion√°rios vacilam ou florescem depende em grande parte da qualidade das rela√ß√Ķes sociais que mant√™m.

Este artigo discutir√° a ci√™ncia por tr√°s das rela√ß√Ķes positivas no trabalho, a import√Ęncia das intera√ß√Ķes sociais positivas e discutir√° apenas algumas das maneiras pelas quais a intera√ß√£o positiva dos funcion√°rios pode ser introduzida e promovida no local de trabalho.

A ci√™ncia por tr√°s das rela√ß√Ķes positivas no trabalho

Os psic√≥logos h√° muito identificam o desejo de se sentir conectado aos outros como uma necessidade humana b√°sica, com relacionamentos interpessoais que t√™m um impacto significativo na sa√ļde mental, comportamento de sa√ļde, sa√ļde f√≠sica e risco de mortalidade (Umberson e Montez, 2010). De fato, os sistemas fisiol√≥gicos humanos s√£o altamente sens√≠veis a intera√ß√Ķes sociais positivas.

Gable e Gosnell (2011) assumiram que os humanos s√£o dotados de redes cerebrais reflexivas separadas para o pensamento social; Assim, relacionamentos √≠ntimos est√£o ligados √† sa√ļde, pois constroem certos sistemas biol√≥gicos que podem proteger contra os efeitos adversos do estresse. Sua pesquisa descobriu que o c√©rebro libera ocitocina em resposta ao contato social, um poderoso horm√īnio ligado √† confian√ßa e √† motiva√ß√£o para ajudar outras pessoas no local de trabalho.

Dunbar (1998) sugeriu que, quando as pessoas experimentam dor social no local de trabalho por se sentirem isoladas, por exemplo, a região do cérebro ativada é a mesma que se tivesse ocorrido dor física.

Por outro lado, quando os relacionamentos no local de trabalho s√£o caracterizados por coopera√ß√£o, confian√ßa e justi√ßa, o centro de recompensa do c√©rebro √© ativado, promovendo intera√ß√Ķes futuras que promovem a confian√ßa, o respeito e a confian√ßa dos funcion√°rios. , com funcion√°rios que criam o melhor entre si e se inspiram em seu desempenho (Geue, 2017).

Intera√ß√Ķes sociais positivas no trabalho afetam diretamente os processos fisiol√≥gicos do corpo. De acordo com Heaphy e Dutton (2008), intera√ß√Ķes sociais positivas servem para refor√ßar a engenhosidade fisiol√≥gica, fortalecendo os sistemas cardiovascular, imunol√≥gico e neuroend√≥crino por meio de redu√ß√Ķes imediatas e duradouras na reatividade cardiovascular, respostas imunes fortalecidas e padr√Ķes hormonais saud√°veis.

Simplificando, quando os funcion√°rios experimentam relacionamentos positivos, a capacidade do corpo de construir, manter e se reparar melhora tanto no local de trabalho quanto em momentos n√£o relacionados ao trabalho, de lazer e descanso.

Quais são os benefícios da interação social no trabalho?

1. As intera√ß√Ķes sociais desempenham um papel essencial no bem-estar, o que, por sua vez, tem um impacto positivo na participa√ß√£o dos funcion√°rios. As organiza√ß√Ķes com n√≠veis mais altos de engajamento dos funcion√°rios relataram menores custos de neg√≥cios, melhores resultados de desempenho, menos rotatividade e absente√≠smo da equipe e menos incidentes de seguran√ßa (Gallup, 2015).

2. A intera√ß√£o social pode levar √† dissemina√ß√£o de conhecimento e produtividade de trabalhadores qualificados para trabalhadores n√£o qualificados, em ambientes de equipe colaborativa ou entre trabalhadores seniores e juniores: particularmente em tarefas e ocupa√ß√Ķes pouco qualificadas (Cornelissen, 2016). Por exemplo, Mas & Moretti (2009) descobriram que a produtividade melhorava quando os funcion√°rios eram designados para trabalhar ao lado de colegas de trabalho mais r√°pidos e com mais conhecimento.

3. √Č prov√°vel que os funcion√°rios satisfeitos com a qualidade geral de suas rela√ß√Ķes de trabalho sejam mais apegados √† organiza√ß√£o. Portanto, l√≠deres que incentivam intera√ß√Ķes informais, como reuni√Ķes sociais fora do hor√°rio comercial, podem promover o desenvolvimento de relacionamentos mais positivos e influenciar significativamente e melhorar a satisfa√ß√£o dos funcion√°rios (Sias, 2005).

4. A falta de intera√ß√£o social no local de trabalho pode ter conseq√ľ√™ncias potencialmente negativas em rela√ß√£o ao apoio social. V√°rios estudos indicaram que o sentimento de isolamento resultante dessa falta de apoio social est√° associado a uma s√©rie de consequ√™ncias negativas √† sa√ļde, incluindo aumento do risco de doen√ßas cardiovasculares, comprometimento da imunidade, aumento do risco de depress√£o e maior tempo de vida. curto (Holt-Lunstad et al., 2015; Cacioppo et al., 2011; Mushtaq et al., 2014).

5. Fortes la√ßos dentro do grupo com colegas de trabalho (caracterizados por freq√ľentes intera√ß√Ķes sociais) oferecem oportunidades para facilitar o pensamento inovador. Segundo Wang, Fang, Qureshi e Janssen (2015), os fortes la√ßos desenvolvidos pelas intera√ß√Ķes sociais ajudam os inovadores na busca de inspira√ß√£o, patroc√≠nio e apoio no ambiente de trabalho.

6. As intera√ß√Ķes sociais no local de trabalho ajudam a garantir que todos em um grupo estejam na mesma p√°gina. Segundo Sias, Krone e Jablin (2002), os relacionamentos entre pares (tamb√©m conhecidos como relacionamentos equivalentes de estado) representam o tipo mais comum de intera√ß√£o dos funcion√°rios.

Esses relacionamentos entre colegas existem entre colegas de trabalho sem autoridade formal um sobre o outro e agem como uma importante fonte de apoio informacional e emocional para os funcion√°rios. Os colegas de trabalho que entendem e entendem sua experi√™ncia espec√≠fica no local de trabalho t√™m a oportunidade de se sentir conectados e inclu√≠dos trocando informa√ß√Ķes por meio de intera√ß√Ķes sociais regulares.

7. Verificou-se que as intera√ß√Ķes sociais no local de trabalho aumentam sentimentos positivos auto-relatados no final da jornada de trabalho (Nolan e Kpers, 2009).

8. Intera√ß√Ķes sociais positivas e repetidas cultivam maiores experi√™ncias compartilhadas e o desenvolvimento gradual de relacionamentos mais confi√°veis ‚Äč‚Äč(Oh, Chung & Labianca, 2004). Quando h√° confian√ßa entre os membros da equipe, √© mais prov√°vel que eles se envolvam em comportamentos positivos e cooperativos, o que aumenta o acesso dos funcion√°rios a recursos valiosos.

Os funcion√°rios que se envolvem em intera√ß√Ķes sociais positivas tamb√©m tendem a exibir comportamentos mais altru√≠stas, fornecendo aos colegas ajuda, orienta√ß√£o, aconselhamento e feedback sobre v√°rias quest√Ķes relacionadas ao trabalho (Hamilton, 2007).

9. As informa√ß√Ķes coletadas por meio da intera√ß√£o social podem ajudar uma equipe a melhorar coletivamente seu desempenho e a precis√£o de suas estimativas (Jayles et al., 2017).

10. Intera√ß√£o social e relacionamentos positivos s√£o importantes para v√°rios resultados relacionados √† atitude, bem-estar e desempenho. Basford e Offermann (2012) descobriram que os funcion√°rios em posi√ß√Ķes de status baixo e alto relataram n√≠veis mais altos de motiva√ß√£o quando o relacionamento interpessoal com os colegas de trabalho era bom.

Por que as intera√ß√Ķes positivas no local de trabalho s√£o t√£o importantes?

rela√ß√Ķes positivas de trabalho Como em qualquer relacionamento interpessoal, aqueles formados no local de trabalho refletem um espectro de qualidade vari√°vel e din√Ęmica.

Na melhor das hip√≥teses, as intera√ß√Ķes podem ser uma fonte de enriquecimento e vitalidade que ajuda e encoraja indiv√≠duos, grupos e organiza√ß√Ķes em geral a prosperar e prosperar.

Por outro lado, as intera√ß√Ķes negativas no local de trabalho t√™m o potencial de ser uma fonte de sofrimento ps√≠quico, exaust√£o e disfun√ß√£o.

Intera√ß√Ķes sociais positivas s√£o freq√ľentemente chamadas de apetitosas. Eles s√£o caracterizados pela busca de resultados gratificantes e desej√°veis, enquanto os negativos s√£o aversivos e comumente caracterizados por resultados inoportunos e punitivos (Reis e Gable, 2003).

Demonstrou-se que as intera√ß√Ķes positivas no local de trabalho melhoram a satisfa√ß√£o no trabalho e influenciam positivamente a rotatividade de funcion√°rios, pois √© mais prov√°vel que os funcion√°rios apoiados por colegas permane√ßam em uma organiza√ß√£o a longo prazo (Hodson, 2004; Moynihan e Pandey, 2008).

Al√©m disso, intera√ß√Ķes positivas entre colegas de apoio que fornecem ajuda e esclarecem tarefas podem melhorar a compreens√£o dos indiv√≠duos sobre seu papel, reduzindo assim a ambiguidade e a carga de trabalho, o que, segundo Chiaburu e Harrison (2008), Pode aumentar a satisfa√ß√£o no trabalho e o comprometimento organizacional.

Intera√ß√Ķes positivas no local de trabalho s√£o marcadas por confian√ßa, respeito m√ļtuo e comprometimento ativo. Segundo Rosales (2015), as intera√ß√Ķes caracterizadas dessa maneira podem melhorar a conscientiza√ß√£o dos funcion√°rios sobre os outros, fomentar emo√ß√Ķes positivas como empatia e compaix√£o e aumentar a probabilidade de um compromisso de confian√ßa e respeito entre as pessoas.

Por outro lado, os v√≠nculos negativamente compensados ‚Äč‚Äčentre duas pessoas no trabalho s√£o caracterizados por animosidade, exclus√£o ou evas√£o, o que pode causar estresse e insatisfa√ß√£o no trabalho (Rosales, 2015).

Isso, sem surpresa, pode ter um efeito prejudicial no bem-estar emocional dos funcion√°rios, na medida em que as rela√ß√Ķes sociais desrespeitosas, desconfiadas e com falta de reciprocidade no trabalho s√£o preditores independentes de depress√£o diagnosticada clinicamente (Oksanen et al. 2010).

Os funcion√°rios tendem a se envolver em muitos relacionamentos di√°dicos no local de trabalho com indiv√≠duos que geralmente t√™m la√ßos negativos e positivos. No entanto, quando as pessoas t√™m mais associa√ß√Ķes negativas com colegas de trabalho do que positivas, podem experimentar humores, emo√ß√Ķes e outros resultados adversos, como o ostracismo social (Venkataramani & Dalal, 2007).

Mastroianni e Storberg-Walker (2014) indicaram que o bem-estar √© aprimorado por meio das intera√ß√Ķes no trabalho quando essas intera√ß√Ķes s√£o confi√°veis, colaborativas e positivas e quando os funcion√°rios se sentem valorizados e respeitados. Constatou-se que as intera√ß√Ķes sem essas caracter√≠sticas diminuem o bem-estar e afetam negativamente os padr√Ķes de sono e alimenta√ß√£o, socializa√ß√£o, exerc√≠cio, relacionamentos pessoais, corrida e energia.

Se considerarmos que, em m√©dia, as pessoas passam cerca de 40 horas por semana no trabalho, √© imperativo que os funcion√°rios se sintam conectados e apoiados por meio de rela√ß√Ķes sociais positivas. Seligman (2011) apontou que a felicidade n√£o poderia ser alcan√ßada sem as rela√ß√Ķes sociais e, embora as rela√ß√Ķes sociais n√£o garantam a felicidade, a felicidade geralmente n√£o ocorre sem elas (Diener e Seligman, 2002).

Tais conex√Ķes e intera√ß√Ķes energizam os indiv√≠duos e a organiza√ß√£o em que trabalham, enquanto os relacionamentos negativos podem esgotar a energia e levar √† confus√£o individual e corporativa (Ragins & Dutton, 2007).

Como incentivar a interação dos funcionários no local de trabalho?

Dados os benef√≠cios organizacionais e pessoais obtidos com as rela√ß√Ķes positivas no local de trabalho, a cria√ß√£o de oportunidades e a promo√ß√£o de intera√ß√Ķes sociais positivas devem ser uma meta principal para l√≠deres de equipe e gerentes.

De acordo com a Society for Human Resources Management 2016, Relat√≥rio de satisfa√ß√£o de funcion√°rios e empregados (SHRM, 2016), o relacionamento com os colegas foi considerado o principal contribuinte para o envolvimento dos funcion√°rios, com 77% dos entrevistados que listam as conex√Ķes no local de trabalho como uma prioridade.

Portanto, √© crucial que l√≠deres e gerentes determinem maneiras pelas quais relacionamentos positivos podem ser promovidos no local de trabalho. Ao fazer isso, as organiza√ß√Ķes est√£o mais aptas a adotar uma perspectiva mais focada no relacionamento, na qual promover intera√ß√Ķes positivas com os funcion√°rios se torna um objetivo em si. Segundo Geue (2017), elevar intera√ß√Ķes √© um requisito cr√≠tico para criar um ambiente de trabalho positivo.

Em geral, maximizar os níveis de comprometimento pode ser reduzido a dois conceitos-chave; remover barreiras que atualmente limitam a interação social no local de trabalho e criar oportunidades para os funcionários interagirem entre si. Esses resultados podem ser alcançados de várias maneiras e, embora nem todas as abordagens sejam adequadas para todos os tipos de organização, os conceitos são verdadeiros.

Promover a interação face a face

Com o advento da comunica√ß√£o digital, havia agora apenas alguns cliques de contato com praticamente qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo. Embora a Internet facilite a comunica√ß√£o em uma escala incompar√°vel, h√° muito a ser dito sobre a intera√ß√£o cara a cara tradicional. Um e-mail pode ser mais f√°cil, mas perdemos as nuances das sugest√Ķes e do tom n√£o-verbais.

Para locais de trabalho tradicionais, considere projetar ambientes de trabalho compartilhados. O design do escritório é propício para a interação dos funcionários? Considerando o ambiente estereotipado do escritório, a remoção literal de barreiras entre os funcionários pode abrir portas para oportunidades de interação social.

Incluir trabalhadores remotos

E os funcionários que trabalham remotamente? A tendência ascendente do teletrabalho deve continuar nos próximos anos, com mais funcionários trabalhando em casa (ou remotamente), apresentando novos desafios para a organização focada no relacionamento.

Embora as organiza√ß√Ķes tenham se interessado em colher os benef√≠cios do acesso a um conjunto mais amplo de talentos e reduzir a sobrecarga de escrit√≥rios, os funcion√°rios remotos representam um desafio para o local de trabalho focado no relacionamento.

Onde a interação cara a cara não é viável, a interação cara a cara ainda pode ser facilitada usando a tecnologia social. O uso do software de videoconferência e seu uso regular podem ajudar a promover relacionamentos sociais positivos para os trabalhadores que não estão fisicamente presentes.

Planejar eventos colaborativos

Passar um tempo promovendo especificamente intera√ß√Ķes sociais positivas no local de trabalho pode ser um caminho poderoso para garantir que a abordagem centrada no relacionamento n√£o atrapalhe a press√£o organizacional para faz√™-lo.

Reserve um tempo para os funcionários interagirem; concentre-se em interesses e experiências fora do trabalho para direcionar a atenção para interesses compartilhados, permitindo que os funcionários descubram pontos em comum e afinidade.

Mediar conflitos de forma eficaz

Tanto funcion√°rios quanto empregadores exigem relacionamentos significativos com outras pessoas no local de trabalho, mas essas necessidades podem ser dificultadas por pr√°ticas contraproducentes e destrutivas no local de trabalho (Bolden e Gosling, 2006).

Os l√≠deres organizacionais devem tentar minimizar as intera√ß√Ķes negativas entre os funcion√°rios, mediando e resolvendo as diferen√ßas proativamente desde o in√≠cio e criando uma cultura de comunica√ß√£o aberta que promova a confian√ßa e construa relacionamentos.

Lidere pelo exemplo

Criar um ambiente f√≠sico que promova intera√ß√Ķes sociais positivas entre os funcion√°rios √© um primeiro passo importante, mas para promover relacionamentos, um bom l√≠der de equipe, supervisor ou gerente deve praticar o que pregam.

Ao estabelecer padr√Ķes consistentes de comportamento que exemplificam a cultura desejada, voc√™ pode promover um ambiente emocional de inclus√£o e positividade.

Embora não focado apenas em relacionamentos positivos, o modelo fundador da psicologia positiva PERMA, Martin Seligmans (Seligman, 2011) destaca cinco elementos críticos para o bem-estar mental que os líderes empresariais podem adotar para promover uma cultura positiva que promove a pertença. .

Os cinco elementos do modelo PERMA s√£o:

  1. Emoção positiva
  2. Comprometimento
  3. Rela√ß√Ķes positivas
  4. Sentido
  5. Realização / conquista

Uma mensagem para levar para casa

O local de trabalho √© uma das poucas configura√ß√Ķes em que as pessoas s√£o for√ßadas a formar relacionamentos. Por sua pr√≥pria natureza, os ambientes de trabalho s√£o constitu√≠dos por uma mistura de diversos grupos de pessoas, muitas das quais teriam pouco interesse em conhecer ou socializar livremente fora do local de trabalho. Embora o maior patrim√īnio de uma empresa sejam seus funcion√°rios, eles n√£o trabalham juntos harmoniosamente o tempo todo.

No entanto, existem a√ß√Ķes que qualquer indiv√≠duo ou organiza√ß√£o pode tomar para incentivar a intera√ß√£o dos funcion√°rios e desenvolver uma cultura inclusiva no local de trabalho. Ao promover intera√ß√Ķes sociais positivas, as rela√ß√Ķes de trabalho podem ser uma fonte de crescimento individual e coletivo, aprendizado e prosperidade.

  • Basford, T.E. & Offermann, L.R. (2012) Al√©m da lideran√ßa: o impacto do relacionamento dos colegas de trabalho na motiva√ß√£o e na inten√ß√£o de permanecer. Revista Gest√£o e Organiza√ß√£o8, 807-817.
  • Bolden, R. e Gosling, J. (2006). Habilidades de lideran√ßa. Lideran√ßa, 2: 147163.
  • Cacioppo JT, Hawkley LC, Norman GJ, Berntson GG. Isolamento social. Ann N e Acad Sci. 2011; 1231: 17-22.
  • Chiaburu, D. e Harrison, D. A. (2008). Os companheiros fazem o lugar? S√≠ntese conceitual e meta-an√°lise de influ√™ncias sociais laterais nas percep√ß√Ķes, atitudes, OCB e desempenho. Jornal de Psicologia Aplicada93, 10821103.
  • Clarke, S. e Cooper, C. L. (2004). Gerenciamento do risco de estresse no trabalho: riscos √† sa√ļde e seguran√ßa. Londres: Routledge.
  • Cornelissen, T. (2016). As intera√ß√Ķes sociais no local de trabalho levam ao aumento da produtividade entre os colegas de trabalho? IZA Mundo do Trabalho314, 1-10.
  • Diener, E. e Seligman, M. E. (2002). Pessoas muito felizes ci√™ncia psicol√≥gica13, 81-84.
  • Geue, P.E., (2017). Pr√°ticas positivas no local de trabalho: impacto no clima da equipe, comprometimento no trabalho e desempenho das tarefas. Viagens de lideran√ßa emergentes10, 70-99.
  • Hamilton, E.A. (2007) Amizade na empresa: Examine os pap√©is e resultados da amizade no local de trabalho entre advogados associados (disserta√ß√£o de doutorado n√£o publicada). Faculdade de Boston: Boston, MA.
  • Heaphy, E.D. e Dutton, J.E. (2008). Intera√ß√Ķes sociais positivas e o corpo humano no trabalho: ligando organiza√ß√Ķes e fisiologia. Academy Review Management, 33, 137162.
  • Hodson, R. (2004). Vida profissional e realiza√ß√£o social: a afilia√ß√£o social no trabalho reflete uma cenoura ou um peda√ßo de pau? Trimestral de Ci√™ncias Sociais85, 221239.
  • Holt-Lunstad J, Smith TB, Baker M, Harris T, Stephenson D. Solid√£o e isolamento social como fatores de risco de mortalidade: uma revis√£o meta-anal√≠tica. Perspective Psychol Sci. 2015 mar; 10 (2): 227-37.
  • Jayles, B., Kim, H.R., Escobedo, R., Cezera, S., Blanchet, A., Kameda, T., Sire, C. e Theraulaz, G. (2017). Como a informa√ß√£o social pode melhorar a precis√£o da estimativa em grupos humanos. Anais da Academia Nacional de Ci√™ncias114, 12620-12625.
  • Mas, A. e E. Moretti. (2009) Colegas de trabalho. Revis√£o econ√īmica americana 99, 112145.
  • Mastroianni, K. e Storberg-Walker, J. (2014). As rela√ß√Ķes de trabalho s√£o importantes? Caracter√≠sticas das intera√ß√Ķes no local de trabalho que melhoram ou diminuem as percep√ß√Ķes dos funcion√°rios sobre bem-estar e comportamentos de sa√ļde. Psicologia da sa√ļde e medicina comportamental, 2, 798819.
  • Moynihan, D.P. & Pandey, S.K. (2008) Os la√ßos que unem: redes sociais, ajuste do valor pessoa-organiza√ß√£o e inten√ß√£o de rota√ß√£o. Jornal de Pesquisa e Teoria da Administra√ß√£o P√ļblica, 18, 205227.
  • Mushtaq R, Shoib S, Shah T, Mushtaq S. Rela√ß√£o entre solid√£o, dist√ļrbios psiqui√°tricos e sa√ļde f√≠sica? Uma revis√£o dos aspectos psicol√≥gicos da solid√£o. J Clin Diagnostic Res. 2014; 8 (9): WE01-4.
  • Nolan, T. e Kuepers, W. (2009). Clima organizacional, Cultura organizacional e rela√ß√Ķes de trabalho. 10.1057 / 9780230248359_4.
  • Oh, H., Chung, M.-H. e Labianca, G. (2004), Capital social do grupo e efetividade do grupo: o papel dos la√ßos informais de socializa√ß√£o. Jornal da Academia de Administra√ß√£o, 47, 860-75.
  • Oksanen, T., Kouvonen, A., Vahtera, J., Virtanen, M. e Kivimki, M. (2010). Estudo prospectivo do capital social e da depress√£o no local de trabalho: os componentes verticais e horizontais s√£o igualmente importantes? Revista Epidemiol de Sa√ļde Comunit√°ria, 64, 684689
  • Ragins, B.R. e Dutton, J.E. (2007). Rela√ß√Ķes positivas no trabalho: introdu√ß√£o e convite. Em J. E. Dutton e B. R. Ragins (Eds.), Explorando rela√ß√Ķes positivas no trabalho: construindo uma base te√≥rica e de pesquisa (pp. 29-45). Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.
  • Reis, H.T. e Gable, S.L. (2003). Rumo a uma psicologia positiva dos relacionamentos. Em C. L. Keyes e J. Haidt (Eds.), Florescimento: a pessoa positiva e a boa vida (129159). Washington, DC: Associa√ß√£o Americana de Psicologia.
  • Rosales, R.M. (2015) Energize as intera√ß√Ķes sociais no trabalho: uma explora√ß√£o das rela√ß√Ķes que geram o sucesso dos funcion√°rios e da organiza√ß√£o. Mestre Em Psicologia Positiva Aplicada (MAPP) Projetos Capstone. 86)
  • Seligman, M. (2018). PERMA e os componentes b√°sicos do bem-estar, The Positive Psychology Journal, DOI: 10.1080 / 17439760.2018.1437466.
  • Sias, P. (2005). Qualidade das rela√ß√Ķes de trabalho e experi√™ncias de informa√ß√£o dos funcion√°rios. Estudos de comunica√ß√£o, 56375-395.
  • Sias, P.M., Krone, K.J. e Jablin, F.M. (2002). Uma perspectiva de sistemas ecol√≥gicos nas rela√ß√Ķes de trabalho. Em M. L. Knapp e J. Daly (Eds.), Manual de comunica√ß√£o interpessoal. (3a ed.) (Pp. 615642). Newbury Park, CA: S√°bio.
  • Stoewen D.L. (2016). Bem-estar no trabalho: construindo locais de trabalho saud√°veis. The Canadian Veterinary Magazine, 57, 11881190.
  • Umberson, D. e Montez, J. K. (2010). Rela√ß√Ķes sociais e sa√ļde: um ponto cr√≠tico para a pol√≠tica de sa√ļde. Revista de sa√ļde e comportamento social, 51, S54S66.
  • Wang, X-H. F., Fang, Y., Qureshi, I. e Janssen, O. (2015). Entenda o comportamento inovador dos funcion√°rios: integre perspectivas de troca de rede social e l√≠der-membro. Revista Comportamento Organizacional, 36403-420.
  • Venkataramani, V. e Dalal, R. (2007). Quem ajuda e magoa quem? Antecedentes relacionais de ajuda e danos interpessoais nas organiza√ß√Ķes. O Jornal de Psicologia Aplicada, 92952-66.

"data-src =" https://dinerados.com/wp-content/uploads/2019/12/La-importancia-de-las-relaciones-positivas-en-el-lugar-de.jpg "/>