A Chris, funcion√°rio da IKEA, que me ajudou a encontrar meu filho

A Chris, funcion√°rio da IKEA, que me ajudou a encontrar meu filho

A Chris, funcion√°rio da IKEA, que me ajudou a encontrar meu filho

A Ikea é um país das maravilhas sensorial para Colin: muito, muito pouco e, às vezes, a quantidade certa.

Dear Ikea Chris,

Pe√ßo desculpas por n√£o saber seu sobrenome; as condi√ß√Ķes sob as quais nos encontramos n√£o eram prop√≠cias a uma introdu√ß√£o mais formal. Mas saiba que sou extremamente grata pelo que voc√™ fez por mim e minha fam√≠lia no domingo, no Brooklyn Ikea.

Você já conhece o início da história, porque testemunhou: eu estava na área de autoatendimento pegando um carrinho quando soltei a mão de meus filhos por um instante. Estrondo! Ele saiu como um tiro! Abandonei o carrinho e estava em perseguição. Você me viu; Eu vi você. Você disse: esse é seu filho? Eu disse sem pensar, sim, e continuei minha perseguição. Sinceramente, não pensei duas vezes: tinha uma visão visual de Colin e esperava pegá-lo antes que ele ficasse muito à minha frente.

Plantas, Utilidades Domésticas, IluminaçãoEu pude vê-lo mesmo que ele estivesse ganhando terreno. E então eu o perdi. Sua estrutura pequena e movimentos ágeis tornaram fácil para ele encher a multidão de compradores com seus carrinhos e bolsas Ikea grandes.

O que eu não sabia não podia saber era que você decolou depois de Colin também, mas em uma trajetória diferente. Sua esperança era interceptá-lo se não o fizesse. Movimento inteligente, Chris, movimento inteligente.

Corri pelo nível mais baixo, os olhos disparando para a esquerda e para a direita, caso ele encontrasse um lugar de descanso; eventualmente, cheguei às escadas que levavam ao Ikea Cafe. Um pensamento: Colin ama suas batatas fritas. Vale um tiro, mas não há dados. Então lembrei que ele estava atraído por uma tela específica do quarto, então comecei uma volta pelo segundo andar procurando a configuração.

Um momento de calma antes da tempestade.

Você trabalha na Ikea, provavelmente conhece muito bem o layout; Eu, no entanto, me sentia como um rato em um labirinto cheio de compradores sinuosos e móveis escandinavos. Tentei ser ágil, mas limpei de lado pelo menos dois clientes inocentes, além de uma luminária Ypperlig. (Ele oscilou, mas não caiu, eu acho.)

Depois de dez minutos dolorosos, finalmente cheguei à sua tela favorita do quarto. Novamente: sem dados, sem Colin.

E agora entra em p√Ęnico.

Veja bem, Colin é autista. Ele é verbal, mas sua linguagem pragmática é fraca; ele luta para explicar as coisas, principalmente para estranhos. Quando ele está assustado, ele tem crises de ansiedade que tornam quase impossível envolvê-lo. Ele não sabe em quais estranhos confiar ou para onde ir se estiver perdido e, como você viu, está propenso a impulsividade. Imaginei-o correndo pela porta e atravessando o estacionamento gelado, confuso e assustado.

Eu estava prestes a pedir ajuda quando algo m√°gico aconteceu: uma voz de cima, um salvador com um sistema de som: Michael McWatters, por favor, venha ao departamento de tapetes. Mais uma vez para uma boa medida: Michael McWatters, por favor, venha ao departamento de tapetes. Huzzah!

Não é tão simples quanto parece.

Corri para o diret√≥rio mais pr√≥ximo: Tapetes, no t√©rreo. Mas como chegar l√°? O mapa era inescrut√°vel, ou minha mente n√£o estava funcionando muito bem. Ou ambos. Eu s√≥ conseguia imaginar Colin chorando, t√£o ansioso que ele come√ßou a tossir ou vomitar, como ele fez no passado quando chateado. Portanto, embora eu tenha meia-idade, convoquei novamente meus med√≠ocres melhores lances de futebol do ensino m√©dio para evitar colis√Ķes e ainda me apressando Tapetes.

Vidraria, L√Ęmpadas, Utens√≠lios de CozinhaTAPETES! E ali, para meu al√≠vio, estava Colin. Ele estava deitado em cima de uma pilha de tapetes na altura da cintura, sorrindo, rolando, ficando sensorial. E voc√™ estava l√°, Chris. Eu reconheci voc√™ instantaneamente: o cara que me viu correndo atr√°s do meu filho. Tanto a dizer, mas primeiro eu tive que verificar Colin: 15 minutos de intervalo, mas ele est√° bem, natch. Sou eu quem est√° em ru√≠nas: suando com o meu pesado desgaste do inverno, ofegando e enervado pela explos√£o de adrenalina.

Feliz como um molusco.

Obrigado obrigado obrigadoou! Estou tão grato! Eu disse. Eu não tinha ideia de que você estava procurando por ele também!

Não se preocupe! Ainda bem que pude ajudar, foi sua resposta alegre e humilde. Ele é um garoto engraçado. Demorei um pouco para que ele me dissesse seu nome para que pudéssemos chamá-lo.

Eu senti a necessidade de explicar. Eu disse baixinho, ele é autista. Mas antes que eu pudesse terminar, você assentiu conscientemente. Eu poderia dizer que você precisava de ajuda quando o vi voar. Estou feliz que o peguei.

Eu também. Você não tem ideia.

Ou você? Talvez você saiba quantas crianças autistas desaparecem todos os anos. Talvez você esteja ciente do fato de que quase metade fugirá antes dos 17 anos (o termo técnico está fugindo), geralmente com resultados trágicos. Talvez você tenha tido um bom senso.

Seja qual for o caso, voc√™ fez uma coisa not√°vel. Voc√™ viu um garoto travesso fugindo do pai e entendeu que havia algo mais em jogo. A maioria das pessoas n√£o teria pensado duas vezes na situa√ß√£o e n√£o as invejo, pois as apar√™ncias externas s√£o enganosas, mas voc√™ o fez e voc√™ agiu. Voc√™ nos poupou da ang√ļstia excruciante ou pior.

Então, Ikea Chris, obrigado. Eu não consegui seu sobrenome, e deveria ter, porque a carta que escrevi para a empresa Ikea é incompleta a esse respeito. Nele, descrevi os eventos de domingo, contei a eles seu primeiro nome e pedi que eles o reconhecessem por sua compaixão.

Se nossos caminhos se cruzarem novamente, espero que me deixe comprar um prato de alm√īndegas suecas no Ikea Cafe. Colin ter√° as batatas fritas.