6 coisas que me ajudam a lidar com a loucura de criar adolescentes

6 coisas que me ajudam a lidar com a loucura de criar adolescentes

Cortesia de Karen

O universo tem seu próprio senso de humor quando se trata de criar um adolescente. E enquanto a maioria das mães tenta resolver problemas e evitar problemas, a maioria responde pela culatra ao criar adolescentes.

Embora passemos mais de 15 anos estudando as f√≥rmulas, ainda √© imposs√≠vel passar no teste. As regras do teste s√£o simples e compostas por uma lista de instru√ß√Ķes. √Ä medida que o seu filho cresce na adolesc√™ncia, basta marcar quando terminar.

Alguns exemplos: seu filho é bem equilibrado e adora conversar sobre o que está pensando.

Seu filho sempre mantém o quarto super limpo e ajuda na casa sem ser solicitado.

Seu adolescente gerencia perfeitamente a hora do telefone e não cede à pressão dos colegas.

Algum cheque até agora?

N√£o? Nem mesmo um?

Eu pensei assim.

Lembro-me de quando minhas duas lindas filhas ca√≠ram de uma nuvem rosa nos meus bra√ßos. Minha vis√£o para o futuro deles era sobre fam√≠lia, amor, respeito e carinho. Como poderia ser de outra maneira? E passei a inf√Ęncia inteira criando momentos que os ajudariam a tomar as decis√Ķes corretas e a serem fi√©is a si mesmos com o entendimento de que a fam√≠lia sempre vem em primeiro lugar.

Tudo correu como planejado.

Até um dia, eu não tenho certeza de quando exatamente, meus anjos se tornaram impostores. Não ao mesmo tempo, é claro. Isso teria sido fácil demais, como quando eles ficam com catapora e você os coloca em quarentena todos juntos. Problema resolvido.

N√£o, eles passaram por essa transforma√ß√£o turbulenta com pouca sobreposi√ß√£o, estendendo as frustra√ß√Ķes ao m√°ximo.

Fale sobre um rude despertar! O que eu tinha feito? Como eu poderia ter criado exatamente o oposto do que me esforçava tanto para alcançar?

Eu estava com o coração partido. Sim, é a palavra certa. E questionei meu valor como mãe, listando tudo o que fiz de errado porque, é claro, fui responsável. Mães são sempre responsáveis, certo?

Errado.

Eu não era responsável e você também não.

Depois de alguns meses no tornado humano, decidi recuperar minhas emo√ß√Ķes, centralizar meu eu racional e aprender a entender tudo.

1. Você não é responsável.

A culpa √© a primeira e mais importante coisa para se livrar. N√£o √© f√°cil, mas √© vital. Como m√£es que sempre cuidaram de seus beb√™s, temos a tend√™ncia de pensar que somos as raz√Ķes pelas quais as coisas acontecem.

Mas quando se trata de adolescentes, isso não se aplica mais. Eles estão claramente passando por uma metamorfose, assinada pela natureza. E não pela maneira como você os criou. A dificuldade está em vê-los passar por essas mudanças difíceis, sem intervenção constante, além de lidar com seus próprios sentimentos de ficar de fora.

2. Escolha de ontem.

No come√ßo, quando uma de minhas filhas fez algo completamente fora dos trilhos (no meu livro), tentei imediatamente oferecer outras solu√ß√Ķes ou possibilidades. Eu pensei que iria lan√ßar alguma luz sobre suas escolhas urgentes.

Exceto que alguns dias depois, suas escolhas haviam mudado. N√£o por causa da minha infinita sabedoria, √© claro, mas porque os adolescentes mudam de id√©ia mais rapidamente do que um ioi√ī quando a corda n√£o fica presa.

Não desperdice seus esforços explicando, resolvendo ou buscando uma infinidade de perguntas, a menos que você esteja convencido de que eles realmente acreditam na escolha deles. E mesmo assim, esteja preparado para que tudo vire de cabeça para baixo novamente.

O que era verdade ontem não é mais verdade hoje. E provavelmente será diferente novamente amanhã e até que eles tenham mais de 20 anos.

Nervos fortes em alerta. Mantenha o m√ļsculo do paciente ativo.

3)Não forneça, apenas ouça.

A maioria dos adolescentes não derrama seus pensamentos facilmente. Eu costumava levar para o lado pessoal quando podia ouvir as partículas de ar se esfregarem na sala porque meus filhos ficavam em silêncio.

Muito tempo depois, descobri que isso era normal. Deprimente, mas normal. Estressante, mas normal.

N√£o leve o comportamento do seu filho para o lado pessoal.

Eu costumava andar de montanha-russa emocional quando as levava para a escola entre longos per√≠odos de sil√™ncio ou explos√Ķes de incompreens√£o. O bot√£o de r√°dio me salvou mais de uma vez. Essa n√£o era minha id√©ia de ser uma fam√≠lia unida. E ent√£o, do nada, eles pronunciam palavras. Palavras incoerentes ou curtas, mas suas bocas se movem e o som sai.

Nesse momento preciso, você pensa feliz e com alívio que as coisas estão finalmente voltando ao normal.

Mas n√£o.

√Č apenas um momento fugaz no tempo e passar√°, infelizmente. Mas quando eles falam, voc√™ precisa ouvir. Nada est√° voltando ao que era, e n√£o, eles n√£o est√£o falando porque pensam que voc√™ √© a melhor pessoa para se confiar.

Não seja como eu, sempre tentado a fornecer uma solução. E se eu realmente não entendo o problema (incoerência dos adolescentes, lembra?), Então eu continuo fazendo perguntas até que eu possa consertá-lo.

Isso funcionou por 15 anos. Ha! N√£o mais.

A menos que eles estejam pedindo sua opinião explicitamente, evite oferecer qualquer coisa. Isso os empurrará de volta para a segurança de sua bolha silenciosa e confirmará que as mães não sabem nada, porque vamos rápido demais para o processo de raciocínio.

Tudo o que podemos fazer é estar lá se eles precisarem de alguma coisa.

4. Recue e dê esporadicamente.

Lembra quando você faria algo pelo seu filho? Sair do seu caminho era a norma, e colocar os melhores interesses deles antes do seu era quase uma regra. Continuei fazendo isso quando meu filho se tornou adolescente e, é claro, saiu pela culatra.

O ponto crucial entre a inf√Ęncia e a juventude √© uma passagem tempestuosa para os adolescentes. Suas mentes s√£o como um quebra-cabe√ßa com pe√ßas faltando e nada realmente se encaixa.

E adivinha? Representamos a inf√Ęncia da qual eles querem se afastar em sua busca pela idade adulta jovem. O que significa que quanto mais queremos nos aproximar, mais eles nos evitam.

Recue um pouco. Retire-se do centro e concentre-se no quadro geral.

Eventualmente, eles surgirão quando sentirem que os aprovamos, não importa o quê.

5. Mantenha as regras b√°sicas.

Eu sabia que acabaria lidando com a adolescência do meu filho. Mas nunca esperei ser sugado pelo turbilhão deles com tanta força, nem seu comportamento exasperante prova minha interminável paciência a esse ponto.

No entanto, aconteceu.

Eu digo azul, eles dizem verde. Quando digo ok, verde, eles voltam ao azul. Essa resistência constante ao longo do tempo é desgastante. Sem mencionar os acenos que claramente dizem que eu ouvi você, mas na verdade eles não ouvem.

Seus ouvidos abertos s√£o exclusivos para amigos, pois seus dedos falam secretamente em telas de todos os tamanhos … e eu tenho muito pouco, exceto olhos revirados, e farei isso mais tarde

No come√ßo, minhas emo√ß√Ķes corriam desenfreadas simplesmente porque eu havia criado essas criaturas, mas n√£o as reconhecia mais. Talvez eles fossem filhos de outra pessoa, e eles se perderam?

E depois voltei ao b√°sico. Regras b√°sicas. Palavras b√°sicas. Expectativas b√°sicas.

Dobre algumas regras, mas mantenha as regras essenciais da casa. Sim, eles têm que participar, pegar suas coisas.

Não repita e não faça isso por eles. Atribua tarefas domésticas porque não, elas não moram sozinhas em uma ilha distante.

Evite mon√≥logos … Se voc√™ quiser ouvir as palavras que saem da sua boca, fa√ßa-as breves, simples e objetivas.

Você quer que eles façam alguma coisa? Você não concorda com a escolha deles?

A menos que seja perigoso, deixe para l√°.

6. Lembre-se da criança.

Quando você tiver pouca paciência, ou se seu bem-estar emocional estiver quase fora da janela, tome um momento para respirar profundamente. Lembre-se de que seu filho ainda é seu filho e não um mutante de um filme de ficção científica. Claro, eles não precisam mais ser superprotegidos, mas definitivamente ainda precisam do seu amor.

As coisas mudam muitas vezes, e você experimentará dores de crescimento inesperadas de maneiras diferentes.

Enquanto isso, concentre-se em uma situação de cada vez e implemente mudanças simples na comunicação para evitar sobrecarga.

Pode levar tempo, mas os adolescentes nos oferecem muitas oportunidades para praticar.

Portanto, prossiga com a sua recém-adquirida sabedoria mamãe e seja muito gentil consigo mesmo.