contador gratuito Skip to content

10 coisas que sofri após o parto

Coisas que sofri após o parto

Imagem: iStock

Ser m√£e √© uma b√™n√ß√£o. Mas ser uma boa m√£e √© um s√≠mbolo de status. √Č como usar uma capa de super mulher quando voc√™ se sente uma v√≠tima por dentro. Criar um filho √© uma batalha que toda mulher est√° travando, n√£o contra seu beb√™, n√£o contra si mesma, mas contra a sociedade.

E o pior é que os maiores agressores são companheiras mães. A mãe do seu marido ou a mãe do seu filho brincam. Por que estamos constantemente competindo? O que estamos tentando testar? O que conseguimos com a degradação de outra mãe apenas porque ela escolhe não amamentar seu bebê após seis meses ou porque decidiu deixar seus filhos em casa e correr para o trabalho?

Lembre-se da cena do filme The Intern, onde Anna Hathaway fica provocada só porque ela decide administrar uma startup de sucesso, em vez de fofocar com outras mães. Eu sei como Jules (Anna Hathaway) se sente. Porque muitas vezes eu sinto o mesmo. Sagrado, confuso e ruim.

Isso pode parecer a queixa frustrada de uma mãe, mas confie em mim, é mais do que isso. Esta é a minha mensagem para as mães que foram provocadas, julgadas e rotuladas como más mães. Você não está sozinho nisso. Eu sei o quanto isso dói.

Tudo começou quando eu dei à luz uma menina saudável há um ano. E desde então ela é uma parte inseparável do meu mundo. Mas isso sim, apenas uma parte. Meu mundo é composto de outras coisas, bem como amigos, trabalho, hobbies e, principalmente, eu mesmo.

Voltei ao trabalho um dia depois que minha filha completou seis meses. E foi uma escolha consciente. Mas a maneira como as coisas mudaram a partir daí levou à depressão. Eu o ignorei inicialmente, mas as coisas pioraram. Recusei-me a aceitar o diagnóstico da minha terapeuta até que ela refletisse meus próprios pensamentos em voz alta e clara.

Há um mês, conheci meu ginecologista porque não estava menstruada e suspeitei que estava grávida novamente. Acontece que não era. Foi apenas estresse. Ela vinculou todos os meus sintomas emocionais e físicos a algo chamado desconforto pós-parto contínuo que ocorre se a depressão pós-parto for ignorada após o parto. Eles me pediram para procurar um conselheiro antes que piorasse. E relutantemente eu fiz.

Hoje foi minha quarta reuni√£o com o terapeuta e o que ele disse partiu meu cora√ß√£o. Estou expondo meu lado vulner√°vel enquanto escrevo isso. Mas devo abrir meu cora√ß√£o e me conectar. Porque sei que existem pessoas como eu que precisam l√™-lo, que precisam saber que n√£o s√£o os √ļnicos apanhados nesse caos.

Aqui est√£o as dedu√ß√Ķes que meu terapeuta decifrou com base em minhas confiss√Ķes, e n√£o tenho vergonha de anunci√°-las:

Isto é o que ela disse:

  1. As pessoas ao seu redor constantemente o julgam. Na pressa de mostrar que voc√™ √© melhor que os outros, voc√™ toma decis√Ķes que s√£o inconsistentes com sua natureza inerente.
  1. Você está apresentando seu filho como um troféu. O que não é um problema. O problema é que, em todo esse caos, você não pode se divertir com seu bebê. Você está constantemente preocupado com o desempenho deles e com o seu também!
  1. Voc√™ n√£o consegue dormir √† noite porque se sente in√ļtil na maioria das vezes. Voc√™ est√° cansado O constante equil√≠brio entre ser uma boa m√£e e uma boa funcion√°ria √© exaustivo.
  1. Você está se tornando um procrastinador. Você decide as coisas e quando não as consegue, seu moral diminui. Voce esta irritado
  1. Você tem problemas corporais. Você está constantemente pensando em perder peso, começando com o yoga, comparando-se a outras mães (não tão gordas). Você está abusando do seu cérebro com excesso de pensamento.
  1. Você está desistindo de seus amigos tentando agradar aos concorrentes. Você escolhe ir à reunião de uma mãe no quarto do bebê antes de tomar um café com um velho amigo (sem filhos).
  1. Você está preocupado que seu marido esteja perdendo o interesse em você. Você chora para dormir quase todas as noites porque sente que as coisas entre você e ele mudaram dramaticamente.
  1. Você quer um tempo livre. Por ti mesmo. Sem o bebê E a culpa tira o melhor de você. Todas as pessoas que viajam para lugares exóticos e postam fotos no Facebook fazem você se sentir um perdedor.
  1. Seu corpo cobra seu preço. O estresse piora as coisas dia após dia, aumentando sua depressão. Isso pode levar a doenças físicas (ciclo menstrual irregular no meu caso).
  1. Por √ļltimo e pior, um desejo de acabar com tudo. Para se isolar e fingir que est√° bem. Explos√Ķes sufocadas. Baixa auto-estima e baixos n√≠veis de energia. Isso pode levar a problemas f√≠sicos e psicol√≥gicos para a vida.

Esta lista foi uma revela√ß√£o. E o surpreendente √© que era mais sobre mim como pessoa do que sobre mim como m√£e. Todo e qualquer argumento √© verdadeiro para T. Minha vida gira em torno dessas quest√Ķes, e eu nem as conhecia. In√ļmeras outras preocupa√ß√Ķes surgem delas e formam uma cadeia viciosa de negatividade e desespero.

Estou trabalhando nesses problemas e me dando a oportunidade de retornar a uma vida mais saud√°vel e feliz. E n√£o √© f√°cil. √Č preciso muita coragem para colocar o p√© no ch√£o e dizer N√ÉO. Concentre-se em experi√™ncias que fazem voc√™ se sentir bem consigo mesmo. Sentir que vale a pena. Existe sem pensar demais.

Portanto, queridas mães e futuras mães, estejam cientes desses sinais. Converse com seu médico sobre eles. E toda vez que você se sentir indigno de ser mãe, diga a si mesmo que estou fazendo o melhor que posso. Eu estou feliz por isso. Os pensamentos acabam se tornando realidades. Acima de tudo, seja você mesmo. Não há melhor maneira de existir.

Os comentários são moderados pela equipe editorial da MomJunction para remover qualquer comentário pessoal, abusivo, promocional, provocador ou irrelevante. Também podemos remover hiperlinks nos comentários.